Sem uso desde quando chegaram ao município, em novembro de 2012, as ambulâncias do SAMU, que deveriam estar sendo utilizadas nos casos de urgência e emergência, salvando vidas, encontram-se abandonadas no pátio do almoxarifado da prefeitura de Riachão do Jacuípe, sendo degradadas pela ação do tempo e para que ninguém veja nada da pista, são colocados maquinas e carros velhos e em uso na frente das ambulâncias. Conforme o vereador Sérgio Roberto – Celinho (PHS) há comentários na cidade, que os veículos deverão ser devolvidos ao Ministério da Saúde, por conta da sua não utilização. O assunto já foi pauta de discussão em várias sessões da Câmara.

O vereador ressaltou que recentemente, o presidente da Casa da Cidadania, Marquinhos (PP), convocou o enfermeiro Julio Leão, coordenador do SAMU no município, para que ele explicasse o motivo do não funcionamento das ambulâncias e a justificativa é que os municípios consorciados: Nova Fátima, Capela do Alto Alegre, Pé de Serra, Ichu e Candeal, não aceitam contribuir para com a base da unidade em Riachão do Jacuípe e por conta desse impasse a prefeitura de Riachão irá solicitar ao Ministério Público uma ação obrigando aos municípios consorciados a firmar um termo de compromisso, comprometendo-se a contribuir para o funcionamento do sistema na região. Ao aderir ao consórcio, o município é obrigado a desembolsar mensalmente cerca de R$ 8 mil, para manter a UPA, o que os gestores não concordam, conforme relatou um prefeito ao site IG.

 “Enquanto a saúde é um caos e continua de mal a pior, depois do recente São João, realizado no mês de junho no município, festa que custou aos cofres da prefeitura de Riachão do Jacuípe, R$ 1,3 milhão, já estão falando dos festejos juninos de 2014. Gasta-se tanto com festa no município,  por que não investir na maior carência que é a saúde para o cidadão jacuipense? Esse tem sido também, o nosso grande questionamento na Câmara, junto ao Poder Executivo”, diz Celinho. (IG)