Henrique Mendes | Do G1 BA
manoel2

Manoel Pereira e Maria do Carmo perderam todas as plantações de milho e feijão | Foto: Henrique Mendes / G1

Manoel Pereira de Souza e Maria do Carmo de Oliveira nasceram no mesmo dia (30 de abril de 1956) e vieram ao mundo com a ajuda da mesma parteira. Como casal, estão juntos há 23 anos. Outro período marcante desses 58 anos de vida é dividido pelos dois: o convívio com a intensa seca no município de Conceição do Coité, a 210 quilômetros de Salvador, no semiárido baiano. 

Plantações de milho mortas na entrada da cidade sinalizam o cenário de perdas provocadas pelos longos períodos de estiagem. Sem chuvas suficientes para o abastecimento total dos reservatórios, desde 2004, os produtores da cidade contabilizam os prejuízos e tentam administrar as dificuldades que envolvem o convívio com a seca.

Maria detalha que a chegada dos anos 2000 marca o início de um período que ela denomina como “milênio da seca” na região. “O século passado foi bem melhor do que esse que entrou. [A última chuva capaz de encher todas aguadas e cisternas] tem uns 10 anos, quando papai faleceu. Foi em 2004. Os riachos queriam levar até a gente. De lá para cá, ficou difícil”, lembrou.

Para o casal, o verão parece ser a única estação do ano. “No inverno, caíram umas chuvas bem fininhas. Não adiantaram”, destaca Manoel. Com as garoas do período, a vegetação superficial vingou produzindo uma sensação visual de prosperidade do solo, só que para os leigos. Conhecido como “seca verde”, o fenômeno não mais ilude os produtores. Continuar lendo…