O aparato de segurança para proteger o Pontífice durante a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) pode ter consumido cerca de R$ 50 milhões, informaram os ministérios da Defesa e da Justiça. Os recursos extras foram usados principalmente no transporte dos dois papamóveis de Roma para o Rio, com comida para alimentar a tropa mobilizada por mais de uma semana e com os helicópteros que transportaram o Papa e sua comitiva na cidade e em Aparecida.

O esquema de segurança da JMJ foi dividido em três níveis: defesa, segurança e inteligência, esta última controlada pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin). Desde 2011, o governo federal transferiu aos ministérios da Defesa e da Justiça R$ 1,8 bilhão para os gastos com a segurança dos grandes eventos. Além da JMJ, entraram no pacote a Copa das Confederações (que aconteceu este ano), a Copa do Mundo (ano que vem) e as Olimpíadas do Rio em 2016. No domingo, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, atribuiu o sucesso na segurança da Jornada à integração entre forças municipais, estaduais e federais. (O Globo)