Garçom Diógenes exibe cédula de votação para a Assembleia de hoje.

Os versos dos Novos Baianos eternizaram, em 1977, no disco Praga de Baiano, aquilo que já se sabia há muito tempo. ‘Bahia é o clube do povo’, canta Baby Consuelo em Campeão dos Campeões. Mais de 35 anos depois, o povo, representado por cerca de 10 mil sócios do Bahia, irá definir  os rumos do clube para os próximos anos. Neste sábado (17), às 9h, na Arena Fonte Nova, acontece a Assembleia Geral que propõe mudanças significativas no estatuto do clube. São cinco pontos principais sugeridos pela comissão de intervenção, comandada pelo advogado Carlos Rátis, que está à frente do Bahia desde que a Justiça destituiu o ex-presidente Marcelo Guimarães Filho por irregularidades na eleição de 2011.

Os temas, em resumo, são a eleição direta para presidente e o fim da carência de 12 meses para o sócio poder votar; a redução de vice-presidências (de 11 pra uma) e dedicação exclusiva da diretoria executiva, que será remunerada; a redução do número de conselheiros (de 300 para 100), com eleição proporcional; a redução da idade mínima para o sócio votar, de 18 para 16 anos; e a adoção da lei da Ficha Limpa para os candidatos a presidente e vice do clube.