G1
xIMAGEM_NOTICIA_5.jpg.pagespeed.ic.cRsjvNjIaE

Foto: STF / Divulgação

O pedido do PSDB para que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) forme uma comissão de representantes de partidos para realizar uma auditoria nos sistemas de votação e totalização do resultado das eleições deste ano foi negado pela Corte. O Tribunal, no entanto, resolveu fornecer para a sigla os dados e acesso a programas e arquivos eletrônicos usados no processo. O PSDB poderá, com as informações, realizar sua própria auditoria ou contratar análise independente. Os tucanos argumentaram que suspeitas de fraude nas redes sociais justificam o pedido de auditoria. Relator do pedido, o presidente do TSE, Dias Toffoli, argumentou, que não era possível obrigar as demais siglas a participar de uma comissão a partir do pedido de umas delas. A Corte reiterou que o fornecimento de dados já estavam disponíveis a legendas, Ministério Público e Ordem dos Advogados do Brasil. Para o coordenador jurídico da campanha de Aécio, deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), a autorização dada pelos ministros para que o partido tenha acesso aos dados da votação permitirá a perícia. “Foi uma medida acertadíssima do tribunal”, afirmou o tucano.