Francisco precisa provar que está vivo. Foto Reprodução/TV Santa Cruz.

Francisco precisa provar que está vivo. (Foto Reprodução/TV Santa Cruz.)

Um artesão desaparecido foi dado como morto e enterrado pela família, no sul da Bahia. A confusão começou na sexta-feira (4), quando um homem foi atropelado na BA-001, entre Ilhéus e Itacaré, e levado ao Hospital Geral Luiz Viana Filho em estado grave e sem a documentação.

Uma mulher, que acompanhava um irmão no hospital, percebeu a movimentação, se aproximou e reconheceu a vítima como o seu irmão mais novo, Francisco Menezes de Almeida, de 30 anos, que estava desaparecido há 15 dias.

Edna Almeida pediu aos enfermeiros que deixassem os dois irmãos juntos para que cuidasse deles. Por volta das 4h da madrugada, a vítima do atropelamento não resistiu e morreu. O corpo foi levado para o Departamento de Policia Técnica de Ilhéus, passou por perícia, foi novamente reconhecido pela família e enterrado em Uruçuca.

O rapaz foi encontrado dois dias depois, no domingo (6), trabalhando em Itacaré, cidade vizinha. “Quando eu cheguei, meus parentes todos me abraçaram. Os meus sobrinhos saíram correndo com medo”, afirmou o então desaparecido.

Agora o artesão terá que provar na Justiça que está vivo. A polícia vai investigar quem é o morto e vai pedir a exumação do cadáver. (G1/BA)