Share Button
O presidente da Vale, Fabio Schvartsman | Foto: Najara Araujo/Câmara dos Deputados

O presidente da Vale, Fabio Schvartsman | Foto: Najara Araujo/Câmara dos Deputados

Em defesa da Vale, o presidente da empresa, Fabio Schvartsman, afirmou que ela “é uma joia brasileira” e não pode ser condenada pelo rompimento da barragem de Brumadinho. “É uma joia brasileira que não pode ser condenada por um acidente que aconteceu em sua barragem, por maior que tenha sido a tragédia”, disse Schvartsman nesta quinta-feira (14) durante audiência da comissão externa da Câmara dos Deputados que acompanha os desdobramentos do caso. De acordo com o Bahia Notícias, na oportunidade Schvartsman apresentou as principais medidas adotadas após o rompimento da barragem e defendeu a Vale. Segundo ele, a empresa, uma das melhores que diz ter conhecido, não pode ser condenada por causa de um único acidente. O presidente da Vale garantiu que todos os processos adotados pela empresa na operação de barragens serão revisados por órgão responsável pelo licenciamento de barragens nos Estados Unidos, o U.S. Army Corps of Engineers. Os familiares dos funcionários da Vale e das empresas terceirizadas que morreram na tragédia de Brumadinho , em Minas Gerais, rejeitaram na noite desta quarta-feira (13) um acordo de indenização proposto pela mineradora, que envolvia o pagamento de indenização por danos morais de acordo com o parentesco com as vítimas. Segundo a Agência Brasil, cônjuge ou companheiro receberia R$ 300 mil, cada filho R$300 mil, cada pai e mãe R$150 mil, cada irmão e irmã R$75 mil. Além disso, o acordo sugerido incluía plano de saúde para os familiares do morto e pagamento mensal correspondente a dois terços do salário líquido do trabalhador até a data em que ele completaria 75 anos. Isso valeria tanto para os empregados da Vale como também para os terceirizados. Exclusivamente para os funcionários da mineradora que sobreviveram, já foi assegurado o salário até o fim de 2019.