Estudantes de três escolas de Itagibá, no sul da Bahia, passaram a utilizar, nesta sexta-feira (5), fardamento com a etiqueta de radiofrequência chamada RFID para controlar a entrada e saída nas unidades da rede municipal. Batizado de “Uniforme Inteligente”, os chips são conectados a sensores instalados nas portas das escolas, que enviam uma mensagem de texto ao celular dos pais nos momentos de entrada e saída dos filhos nos colégios. O projeto foi inspirado no monitoramento de alunos pela mesma tecnologia (RFID) implantado em Vitória da Conquista, na região sudoeste, em março de 2012, a primeira experiência do país. De acordo com Elinea Souza, secretária municipal de Educação, a decisão, tomada após audiência pública entre representantes da promotoria, conselho tutelar, conselho de pais e polícias, foi motivada pelo aumento no índice de evasão e dos casos de uso de drogas e prostituição entre menores de idade.

“Infelizmente, percebemos que, além de deixarem a escola para ir a lan houses e jogar sinuca, tivemos problemas de crianças com drogas ou jovens que iriam se prostituir nas cidades vizinhas. O pai achava que o filho estava na escola e, quando a escola ia averiguar as faltas, encontrava casos como esses”, pontua. Segundo a gestora, em um dos casos, uma jovem de 15 anos apareceu grávida depois do aumento nas suas faltas na escola. “A mãe descobriu que ela saía para namorar no horário das aulas”, diz. Orçado em pouco mais de R$ 300 mil, inicialmente, o projeto visa atender cerca de 1200 alunos do 6º ao 9º ano, em duas escolas municipais e em uma da zona rural, localizada no distrito de Japomirim. Ao todo, são 1200 alunos contemplados. Na quinta-feira (4), quando se deu o lançamento do projeto, cada pai de aluno recebeu duas camisas equipadas com o sensor e as orientações de manutenção. (G1)