Share Button

Por G1

Foto: Gabinete do Xerife do Condado de Ozaukee via AP

Um farmacêutico foi condenado a três anos de prisão nos Estados Unidos após se declarar culpado por deteriorar intencionalmente dezenas de doses de vacinas contra a Covid-19.

Ele também terá que pagar US$ 83,8 mil ao Aurora Medical Center em Grafton, em Wisconsin, como compensação (mais de R$ 420 mil), segundo o Departamento de Justiça dos EUA.

Steven Brandenburg, de 46 anos, retirou deliberadamente frascos do imunizante da Moderna do refrigerador do hospital onde trabalhava.

Ele retirou as vacinas da geladeira durante o turno noturno e as deixou por várias horas em temperatura ambiente antes de colocá-las de volta na geladeira para que fossem aplicadas no dia seguinte.

Ao todo, 57 frascos foram afetados e mais de 500 doses da vacina foram descartadas (cada frasco tem 10 doses). Dezenas de pessoas tiveram de ser revacinadas.

Brandenburg foi demitido no fim de dezembro e preso em janeiro. Ao assumir o crime, ele declarou que acreditava que a vacina era perigosa para as pessoas e poderia modificar o DNA – o que obviamente não é verdade.

“A tentativa deliberada de deteriorar doses de vacina em uma situação de emergência sanitária nacional é um crime grave”, afirmou Brian Boynton, assistente do procurador-geral responsável por questões civis no Departamento de Justiça americano.