11270877_505829772902429_1838052977_n

Sessão reuniu centenas de populares, que lotaram o plenário da Câmara contra a aprovação da medida | Foto: Cidicleiton Souza (Zé Bim)/Notícias de Santaluz

O plenário da Câmara Municipal de Queimadas aprovou nesta quarta-feira (20) o projeto de lei nº 013/2015, que propõe a venda do prédio do Mercado Municipal da cidade. Com a aprovação da proposta, os vereadores autorizam o prefeito Tarcísio Pedreira (PR) a leiloar o imóvel de 544 m2, que se encontra fechado desde o início de sua gestão. A proposta foi aprovada, após seis meses ‘estacionada’ no legislativo. O presidente da Casa, vereador Renato Borges (PRP), o ‘Renatinho do Será’, já havia colocado o projeto em pauta no final do ano passado, mas teve que retirar a pedido do próprio prefeito, após o gestor ter sofrido forte pressão popular.

Na manhã desta quarta, mesmo sem um acordo selado entre representantes do governo e da bancada de oposição, a matéria foi colocada em votação e aprovada durante sessão extraordinária bastante agitada, que reuniu centenas de populares, que lotaram o plenário da Câmara contra a aprovação da medida. Por conta disso, a votação aconteceu em ambiente carregado e com vaias, e contou com a presença de policiais militares. Votaram a favor da venda do Mercado Municipal os vereadores Paulo do Riacho (PT), Lícia de Litinho (PRP), Valmir Barreto (PSDB), Valda (PSD), Lucia de Pininho (PMDB), Renatinho do Será (PRP), Ubaldo (PHS) e Regis da Ambulância (PTN). Contrários à proposta, os parlamentares Luiz Carneiro (PSC), Lazaro José (PT) e Agnaldo Neto (PT) decidiram sair do plenário antes do início da discussão da matéria.

11297847_505829622902444_1209974424_n

Vereador Agnaldo Neto reclamou da falta de tempo para analisar o projeto e abandonou a sessão | Foto: Cidicleiton Souza (Zé Bim)/Notícias de Santaluz

“Faço parte de uma das comissões desta Casa, como relator, e não tive tempo hábil para emitir meu parecer sobre este projeto de lei, pois, por incrível que pareça, somente hoje que o texto chegou em minhas mãos. Tendo o direito constituído de apresentar meu parecer, favorável, ou não, em até cinco dias úteis, encaminhei um ofício à presidência da Casa, mas o meu direito cerceado. Lamentável que isso tenha acontecido”, reclamou o vereador Agnaldo Neto.

Estiveram presentes à seção, os ex-prefeitos Maurinho e Heyde Caires, além do atual prefeito Tarcísio Pedreira, que comemorou a aprovação do projeto, entre outras autoridades políticas do município. De acordo com o gestor, com a venda do Mercado Municipal, os proprietários de pontos comerciais no imóvel serão transferidos para a praça da feira livre, onde eles ganharão barracas padronizadas. Questionado sobre o destino do dinheiro que será levantado com a venda do imóvel, o prefeito afirmou que o recurso será revertido em benefícios para a população. 

Redação Notícias de Santaluz