WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
Home . Inicio




Laboratório Checap

Drogaria Santana

Adrivana Cunha Hospital de Olhos


:: ‘Notícias’

Bolsonaro diz que ainda não foi convencido a mudar seu discurso sobre a pandemia: “Vamos ficar fechados até quando?”

Share Button

Por O Globo

Foto: Isac Nóbrega/PR

Incomodado com as críticas ao governo no combate à pandemia da Covid-19, o presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira (22) que ainda não foi convencido a mudar de postura em relação ao tema.

“Devo mudar meu discurso? Me tornar mais maleável? Devo ceder, fazer igual a grande maioria está fazendo? Se me convencerem do contrário, eu faço. Mas não me convenceram ainda. Devemos lutar contra o vírus, e não contra o presidente”, disse Bolsonaro.

O presidente também disse que setores da sociedade o pressionam a decretar lockdown e que, se houvesse comprovação de que a medida acabaria com o vírus em 30 dias, ele aceitaria:

“Se ficar em lockdown em 30 dias e acabar com vírus eu topo, mas sabemos que não vai acabar”, afirmou.

“Temos que nos preocupar com vidas, sim, mas também com empregos. Uma pessoa desempregada pode ter problemas que levam ao óbito. Vamos buscar uma melhor maneira de atender a população? Vamos. Parece que só no Brasil está morrendo gente. Lamento o número de mortes, qualquer morte. Não sabemos onde isso vai acabar, se vai acabar um dia. Vamos ficar fechados até quando? Estou preocupado com vidas, sim”, disse Bolsonaro.

Datafolha: 57% consideram justa condenação de Lula, e 51% acham que Fachin agiu mal ao anular decisões da Lava Jato

Share Button

Por G1

Foto: Ricardo Stuckert

Pesquisa Datafolha divulgada pelo jornal “Folha de S.Paulo” nesta segunda-feira (22) mostra que 57% dos brasileiros consideram justa a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no caso do triplex do Guarujá. E 51% acham que o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), agiu mal ao anular essa e outras decisões envolvendo o petista em da Operação Lava Jato.

O levantamento foi realizado com 2.023 brasileiros adultos, que possuem telefone celular, em todas as regiões e estados do país, entre os dias 15 e 16 de março. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

Em 2017, o então juiz Sergio Moro condenou Lula a 9 anos e 6 meses de prisão no caso do triplex. A pena foi revista em 2018 para 12 anos e 1 mês na segunda instância. E, em 2019, reduzida para 8 anos e 10 meses no Superior Tribunal de Justiça (STJ). Depois também em 2019, o ex-presidente foi condenado no caso do sítio de Atibaia. Ele nega ter cometido crimes.

Em 8 de março, Fachin considerou que a Justiça Federal do Paraná não tinha competência para analisar as investigações contra Lula e anulou as condenações do ex-presidente nos casos do triplex do Guarujá e do sítio de Atibaia.

Bolsonaro aciona STF para derrubar decretos do DF, BA e RS que impuseram restrições contra a Covid

Share Button

Por TV Globo

Foto: Alan Santos/PR

O presidente Jair Bolsonaro acionou o Supremo Tribunal Federal (STF) para derrubar decretos dos governos do Distrito Federal, da Bahia e do Rio Grande do Sul que determinaram restrições de circulação de pessoas diante do aumento expressivo do número de mortes e transmissão da Covid-19.

Na ação, o governo pede que o Supremo determine que o fechamento de atividades não essenciais durante a pandemia só pode ter por base uma lei aprovada pelo Legislativo, e não decretos de governadores.

O texto requer à Corte que se “estabeleça que, mesmo em casos de necessidade sanitária comprovada, medidas de fechamento de serviços não essenciais exigem respaldo legal e devem preservar o mínimo de autonomia econômica das pessoas, possibilitando a subsistência pessoal e familiar”.

Na prática, isso dificultaria a adoção de medidas urgentes para combater a pandemia, já que a necessidade de aprovação de uma lei exige a negociação política e também a tramitação de um processo legislativo.

Bolsonaro falou sobre a ação na noite desta quinta-feira (18), em sua live semanal. O presidente disse que está recorrendo ao STF para acabar com “abusos” e que, na visão dele, os governadores impuseram “estado de sítio”.

“Bem, entramos com uma ação hoje [quinta]. Ação direta de inconstitucionalidade junto ao Supremo Tribunal Federal exatamente buscando conter esses abusos. Entre eles, o mais importante, é que a nossa ação foi contra decreto de três governadores”, disse o presidente.

Segundo a ação, não há previsão na lei para que esse tipo de decreto seja editado por governadores.

“A despeito da naturalidade com a qual esses atos têm sido expedidos, é fora de dúvida que não há, em parte alguma da Lei no 13.979/2020, previsão genérica que delegue competência a instâncias executivas locais para isso”, argumenta o governo.

Prefeitura de Santaluz decreta ‘lockdown’ de sábado (20) até quinta-feira (25); castigado pela pandemia, comércio sofre novo baque

Share Button

Foto: Notícias de Santaluz

A prefeitura de Santaluz decretou um severo ‘lockdown’ na cidade entre 0h do próximo sábado (20) e 5h de quinta-feira (25), incluindo o fechamento de todo o comércio essencial e não essencial. O decreto com as medidas severas de restrição determinadas pelo prefeito Arismário Barbosa Júnior foi publicado na edição do Diário Oficial do Município desta quarta-feira (17). Clique aqui para acessar o documento. Somente serviço de delivery poderá funcionar durante o período de confinamento. As novas regras de restrição impostas pela prefeitura surgem num cenário de aparente contradição, já que mesmo após sucessivos fechamentos do comércio a cidade segue registrando aumento no número de casos ativos da Covid-19, o que, aliás, põe em xeque o processo de vacinação parcial executado pela Secretaria Municipal de Saúde, que parece não ter um plano para vencer a crise epidemiológica. Setores do comércio também avaliam que falta uma coordenação do poder público municipal para amenizar os impactos na economia local nesse momento da pandemia.

Notícias de Santaluz

44% reprovam governo Bolsonaro e 30% aprovam, aponta pesquisa Datafolha

Share Button

Por G1

Foto: Marcos Corrêa/PR

Levantamento do instituto Datafolha divulgado nesta terça-feira (16) pelo site do jornal “Folha de S.Paulo” informa que cresceu a reprovação ao governo do presidente Jair Bolsonaro.

Em resumo, os resultados da pesquisa são os seguintes:

Ótimo/bom: 30%;

Regular: 24%;

Ruim/péssimo: 44%;

Não sabe: 2%.

A pesquisa ouviu 2.023 pessoas nos dias 15 e 16 de março por telefone em razão das limitações motivadas pela pandemia de Covid-19. A margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos.

De acordo com o Datafolha, 44% dos entrevistados classificaram o governo como ruim ou péssimo – eram 40% no levantamento anterior, entre 20 e 21 de janeiro.

Os que consideravam o governo ótimo ou bom eram 31% e agora são 30% e os que julgavam regular eram 26% e agora são 24%, segundo o instituto.

Mesmo com fechamento do comércio, Santaluz tem aumento de 15,5% nos casos ativos de Covid-19

Share Button

Foto: ToyMavic

Santaluz teve aumento de 15,5% no número de casos ativos de Covid-19 em uma semana. A cidade contabilizava 174 pacientes em tratamento contra a doença no dia 8 de março e 201 no boletim divulgado pela Secretaria Municipal de Saúde na noite desta segunda-feira (15), quando foram registradas mais 22 novos diagnósticos positivos e mais 7 curas clínicas. Há ainda 120 suspeitas de infecção sendo investigadas. Com a atualização, o número de casos confirmados chega a 2.164 desde o começo da pandemia. Até o momento, 1.935 pessoas estão curadas. O novo crescimento de número de casos acontece em meio a uma série de medidas mais duras adotadas pela prefeitura junto com o governo do estado para tentar conter o avanço do coronavírus na cidade, a exemplo dos sucessivos fechamentos do comércio não essencial – que teve uma trégua nos últimos dias após apelo dos comerciantes – e, recentemente, dos estabelecimentos considerados essenciais, além da proibição da comercialização de bebidas alcoólicas.

Notícias de Santaluz

Adolescente morre afogado e viatura capota quando seguia para prestar socorro

Share Button

Por G1 BA

Foto: Divulgação/GCM Amargosa

Foto: Divulgação/GCM Amargosa

O adolescente Mário de Jesus Silva Júnior, de 15 anos, morreu após se afogar no Rio Ribeirão, em Amargosa, cidade a cerca de 200 km de Salvador, na tarde de domingo (14). Cerca de 12 jovens estavam no rio, quando ocorreu o afogamento.

Uma viatura da Guarda Civil Municipal (GCM), que estava indo prestar atendimento à ocorrência, que ocorreu na localidade de Baixa de Areia, capotou no caminho. Ninguém ficou ferido com gravidade.

“Fomos até a localidade e, passando por uma estrada vicinal, nos deparamos com um veículo que não deu passagem em uma via, mesmo com os nossos sinais luminosos e sonoros ligados. Tivemos que desviar do veículo, perdemos o controle e capotamos três vezes”, disse o inspetor Ferraz, que atuou na ação.

Os próprios guardas entraram em contato com o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e, quando a ambulância chegou, dois deles seguiram com o serviço médico para o local do afogamento. O terceiro membro da equipe permaneceu aguardando outra equipe para retirar a viatura.

Homem vence Covid após 42 dias em coma e acerta na Mega-Sena: ‘Voltando a sorrir’

Share Button

Por G1

Rogério Maria é uma das 73.912 pessoas que contraíram Covid-19 em Campinas (SP). Entretanto, sua trajetória torna a recuperação uma conquista ainda maior. Dos 68 dias internado, 42 foram em coma induzido, entubado. A alta e reabilitação desafiadora dividiram espaço com a sorte, ganhou num bolão parte do prêmio da Mega-Sena da Virada em 2020.

“Aprendi a viver mais feliz. Mesmo com todas essas sequelas, mas ainda vou supera-las. Não desisti e não desisto jamais”.

Neste sábado (13), a cidade completa um ano do primeiro caso confirmado de coronavírus, uma estudante de medicina que frequentou uma festa na Bahia, onde outras pessoas se infectaram. Em 12 meses, 1.997 pessoas perderam a vida para a doença, e muitas outras renasceram, como Rogério.

O analista de sistemas de 51 anos, pai de dois filhos, foi infectado em julho, pico da primeira onda da pandemia. A piora no quadro veio rápido e ele ficou hospitalizado na Casa de Saúde de Campinas.

“Sentei na cadeira de rodas e passei pelo corredor do hospital. Essa é a última lembrança que tenho daquele dia, antes dos 42 dias em coma”.

80% dos pulmões comprometidos

Rogério precisou de uma traqueostomia. Teve pneumonia e infecção bacteriana em decorrência da baixa imunidade e do longo período de internação. 80% dos pulmões ficaram comprometidos. Ainda apresentou trombose generalizada e foi submetido a 28 dias de hemodiálise.

“Minha família foi chamada duas vezes para se despedir de mim, porque os médicos não acreditavam na recuperação”.

Esposa, Iracema Teodoro passou apreensão, angústia e dificuldades financeiras. “Era muito difícil passar as notícias dos médicos para nossos filhos”. Mas a esperança veio com a melhora sucessiva do esposo. Rogério acordou.

“Fiquei três dias sem dormir com medo de não acordar mais. O medo de não sair de lá e a saudade dos meus filhos era demais. Eu chorava todos os dias”.

27 kg a menos e sem andar

Rogério foi para casa em setembro com 27 kg a menos, queda de cabelo e a pele escurecida pelos remédios que tomou. Teve perda de memória recente e lesões nos nervos periféricos das duas pernas, que impossibilitariam qualquer movimento por seis meses, segundo a previsão médica.

Durante a primeira quinzena em casa, tentava levantar da cama e dar alguns passos, apesar das dores e da falta de ar. Logo conseguiu caminhar pela casa, contrariando as expectativas.

“Pedi que levassem embora a cadeira de rodas, o andador e a cadeira de banho, tudo que me lembrasse da minha condição, pois eu tinha que superar o que estava passando. A partir daí, me arrastava pela casa, me apoiava em tudo”.

Benefício negado no INSS e prêmio da Mega

Durante o coma, a família realizou um pedido de auxílio por internação médica ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), mas foi negado. A justificativa do órgão, segundo Rogério, foi que ele estaria apto a trabalhar, mesmo com o atestado de coma expedido pelo hospital.

Após novas tentativas, recebeu, até o momento, apenas uma parcela do valor a que teria direito. O G1 questionou o INSS, que disse estar analisando o caso para que os valores devidos sejam pagos corretamente. Alegou que a documentação enviada em agosto não estava de acordo com o necessário e que a perícia de Rogério está agendada para 31 de março.

“Na avaliação presencial, a perícia médica vai verificar a data de início da incapacidade, podendo definir o pagamento retroativo do auxílio.”, informou o órgão.

Em dezembro, a família recorreu a uma vaquinha online para ajudar nas despesas com o tratamento. Não imaginavam que também teriam sorte com um bolão da Mega-Sena da Virada. O grupo no qual Rogério estava acertou cinco dezenas, e cada um recebeu o valor líquido de R$ 7.325,26.

O ano de 2021 ainda tem desafios. A capacidade pulmonar foi restabelecida, ele recuperou 13 kg e ainda aprimora os passos, sob os olhos de fisioterapeutas. Atualmente, Rogério já consegue pular, correr e fazer exercícios de força. Um recomeço após a Covid-19.

“Sou um cara alegre, estou voltando a sorrir. É uma batalha diária e minha superação está acontecendo. Tudo isso me fez dar valor às pequenas coisas da vida”.

Ação conjunta entre PM e Guarda Municipal apreende maconha e arma em Queimadas

Share Button

Foto: Notícias de Santaluz

Equipes da Polícia Militar e da Guarda Civil Municipal apreenderam 28 porções de maconha na zona rural de Queimadas, região sisaleira da Bahia, nesta sexta-feira (12). Segundo a PM, após denúncia anônima, os agentes foram até o povoado Coxos e encontraram as drogas, uma arma de fogo do tipo garrucha e uma faca escondidas dentro de um sofá velho no fundo de uma casa, localizada às margens do rio Itapicuru. Ainda segundo a polícia, um indivíduo que estava no local fugiu ao perceber a chegada das viaturas. O material apreendido será entregue à Polícia Civil, que deve investigar o caso.

Notícias de Santaluz

‘Com lockdown pessoas vão morrer de fome’, diz secretário de Saúde de SP

Share Button

Imagem: Divulgação/Governo do Estado de São Paulo

O secretário da Saúde do estado de São Paulo, Jean Gorinchteyn, disse ser contra o lockdown no Brasil por considerar que a medida combinada com a falta do auxílio-emergencial vai levar parte da população “a morrer de fome”. “Sou contra lockdown como é feito em outros países, enquanto nós não tivermos esse auxílio (emergencial) para as pessoas que dependem disso. Temos que fazer restrições mais robustas e enérgicas, mas o lockdown no nosso país, não temos condições de fazer. As pessoas vão morrer de fome. Vamos ter um problema civil”, disse Gorinchteyn em entrevista à rádio CBN. Segundo o Uol, o secretário justificou a opinião explicando que “o Brasil tem uma questão social e econômica muito peculiar. Fazer o lockdown significa colocar uma parcela vulnerável numa situação difícil sem o auxílio. Eu vejo que alguns estados chegaram numa situação limite”.



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia